A definição da arte – resenha

DSC02619Ano passado, justo um pouco ante do falecimento do Umberto Eco, comprei o seu livro sobre “A definição da arte” para me ajudar a refletir sobre o que representa e o que é a arte!

A copilação dos textos escritos por Eco entre 1953 e 1963, permitiram entender um pouco sobre a questão da obra aberta e da morte da arte, já que apesar dele definir que os textos foram escritos antes de seu período semiótico, onde identifica dois aspectos intrínsecos no objeto artístico. O primeiro aspecto é que

“o autor realiza um objeto completo e definido, segundo uma intenção precisa, aspirando uma fruição que o reinterprete assim como o autor o pensou e quis.” (p. 153)

O segundo aspecto é que

o objeto, no entanto, é desfrutado por uma pluralidade de fruidores e cada um deles levará ao ato da fruição as próprias características psicológicas e fisiológicas, a própria formação ambiental e cultural e as especificações da sensibilidade que as contingências imediatas e a situação histórica comportam; por mais honesto e total que seja o empenho da fidelidade à obra a ser apreciada, cada fruição será inevitavelmente pessoal e restituirá a obra num de seus aspectos possíveis.” (p. 153-154)

Isto é, o fato da criação, da autoria e do autor em sua relação com o público, espectador, visitante, consumidor, a obra de arte é alimentada por todos os conjuntos envolvidos que o permitem reatroalimentar-se. Entretanto, quando uma obra é exposta no espaço museológico, essa retroalimentação não continua seu fluxo continuo, pois o artista pouco saberá como sua obra atinge o espectador, mas o público pode vir a compreender o universo daquela obra de arte se houver uma pesquisa ou um contato com o monitor/educador.

E dai, levanta a questão sobre a morte da arte, onde afirma que a morte da arte acontece naturalmente justamente para dar abertura a novas formas de pensamentos e modalidades de construções dentro da arte.

Enfim, resumir o trabalho do Eco não é um trabalho fácil ainda mais quando existem muitos fatores para definir a arte contemporânea, mas o principal é pensar na análise de todo o período que antecedeu e esteve acontecendo para que aquele artista construísse em matéria sentimentos, pensamentos e questionamentos que vivemos na sociedade.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s